Total de visualizações de página

segunda-feira, 1 de julho de 2013

BATE-BOLA COM O PESQUISADOR: Nirez de Azevedo


01. Qual seu nome completo, seu apelido (se tiver) e onde e quando nasceu?
Meu nome completo apesar de pequeno é completo, Nirez de Azevedo.
Apelido tem apenas na família que sou chamado de Neném, já que fui o mais novo por sete anos, antes de nascer o meu irmão Mario.
Nasci em Fortaleza no centro da cidade com parteira em casa, isso em 26 de outubro de 1963.

02. Com que idade você começou a juntar material relacionado ao futebol e a desenvolver pesquisas sobre o tema “futebol”?
Isso foi no final da década de 70, tinha um programa de perguntas e respostas em uma rádio local e eu nunca queria saber a resposta. Queria achar e aí pesquisava em jornais e revista.

03. O que faz atualmente em sua vida profissional? Sua profissão está relacionada às pesquisas sobre o futebol? Quanto tempo está na atual profissão? O que fazia antes?
Sou arquivista de uma estatal (terceirizado), trabalho na TV Ceará e não tem nada haver com pesquisa de futebol. Faz 18 anos que trabalho na TV.

04. Alguém o incentivou a começar as pesquisas? Lembra quando foi e de que forma? O que o levou a iniciar as pesquisas?
Meu pai é um dos grandes pesquisadores da música brasileira,  conhecido nacionalmente. Ele é conhecido como “Nirez” e sempre vendo ele nas pesquisas tive o incentivo, só que eu me guiei para o Futebol.

05. Qual a maior satisfação que as pesquisas lhe proporcionam ou proporcionaram?
O que me deixou mais satisfeito foi conseguir levar para as pessoas o que eu achei e pesquisei. Mostrar para todos a história do nosso futebol.

06. O que representa as pesquisas para você? É um hobby apenas? Quanto tempo de sua semana você dedica às pesquisas? Você é daqueles que regularmente vão até as bibliotecas? Sua família apoia você?
É hobby. Gosto de sabe tudo e ajudar as pessoas que não tem tempo a sabe o que acontece e aconteceu no futebol brasileiro. 

07. Quais foram as suas maiores alegrias na “carreira” de pesquisador? E as maiores tristezas ou decepções?
Alegria foi quando o meu livro “A História do Campeonato Cearense de Futebol” foi publicado. Estou atualizando para uma segunda edição.

08. Qual (is) a(s) pesquisa(s) que você fez e chamaria de inesquecível (is)?
Todas são inesquecíveis, posso não lembrar mais é inesquecível.

09. E qual a sua pior pesquisa, aquela que você não gostaria de lembrar?
Não tenho nada para citar

10. Descreva um fato pitoresco presenciado por você acontecido durante as pesquisas em bibliotecas, centros de documentação ou outros.
Não foi um acontecimento, mas o momento das pesquisas, tirar umas férias de 30 dias não podia, pedi 15, aceitaram, mas com uma condição:  seria 30 dias de meio expediente. Trabalhava de manhã e estava de férias à tarde.

11. O que tira você do sério em relação à conduta de alguns pesquisadores?
Existem alguns pesquisadores que perdem tempo pesquisando para si mesmo, já que pesquisa e só fala da pesquisa se ganhar dinheiro para isso.

12. Qual o local de pesquisa mais organizado que você já visitou?
Gostei bastante da Biblioteca Pública aqui de Fortaleza, tinha os jornais bastante organizados e agora que tem boa parte microfilmada ficou mais organizada.

13. E qual o arquivo particular mais interessante que você já teve a satisfação de poder visitar ou de saber de sua existência?
Aqui em Fortaleza não tem arquivo particular para visitação, todos são privados pelos donos. Mas assim mesmo visitei um do Sr. Alfredo Sampaio, o melhor e mais completo aqui de Fortaleza, pena que ele já faleceu.

14. Em geral, quais são as maiores qualidades e defeitos de um pesquisador?
Qualidades, seria o desejo de mostrar a história para o mundo e o defeito é achar que só existe ele no mundo e que ele é o único que sabe.

15. Que sugestões você daria para todo pesquisador com a finalidade de facilitar as pesquisas?

Que os pesquisadores tenham a consciência de que a história é de um fato e não sua.

16. Qual seu time do coração? Você faz ou fez pesquisas relacionadas a ele? Mantém contato com outros pesquisadores especializados em seu time do coração? Como é a sua convivência com estes?
Sou torcedor do Ceará Sporting, não faço pesquisa específica, já que tenho dedicado maior parte das minhas pesquisas para o campeonato local.

17. Quais suas sugestões e expectativas em relação às pesquisas em seu Estado? Acha que é possível reunir os pesquisadores regularmente em encontros de confraternização?
Acho bastante difícil. Muitos deles já foram chamados e os maiores queriam saber o que ganhariam com a divulgação de suas pesquisas e outros são “sabidos”, pegam o que os outros pesquisam e dizem que foi ele quem pesquisou.
 

 

18. Você já publicou algum livro, monografia, CD ou DVD relacionados ao futebol? Tem algum trabalho no “forno”?
Já publiquei um livro “A História do Campeonato Cearense de Futebol”, em 2001 e agora estou atualizando para tentar uma segunda edição.

19. Você participa de algum blog ou site especializado em pesquisas sobre o futebol?
Não, já tentei fazer um blog para mim, mas não foi possível encontrar tempo para fazer o blog.

20. Quais são seus projetos de pesquisas para o futuro?
Tenho a atualização do meu livro ainda para este ano.

21. Na sua opinião, qual foi o melhor pesquisador que já tivemos em nossa história?
Existem muitos ótimos. Muitos antigos e muitos recentes. É difícil dizer já que cada um tem sua ideia de pesquisa.

22. Um sonho que você ainda não realizou em suas pesquisas.
Conseguir todos os resultados dos campeonatos cearenses de 1915 até hoje. Acho quase impossível já que existiam muitas brigas entre Federação e imprensa.

23. Finalizando, deixe o seu recado ou impressões sobre as pesquisas, sobre o blog e também sobre outro tema qualquer.
Ótima ideia de colocar os pesquisadores na mídia, pessoas que às vezes ficam no anonimato, mas que deveriam aparecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário