Total de visualizações de página

sexta-feira, 15 de março de 2013

GRUPOS DE PESQUISAS: O GMPHCFB!

 
 
Nessa nova seção, a GRUPOS DE PESQUISAS, procuraremos falar um pouco dos vários grupos formados com a finalidade de incentivar as pesquisas relacionadas ao futebol.
Se você também tem um grupo de pesquisadores, mande seu histórico para o blog que teremos a maior satisfação em divulgar o seu trabalho.
O primeiro a ser abordado é o Grupo Multidisciplinar de Pesquisa em História e Culturas do Futebol Baiano, o GMPHCFB.

Da esquerda para a direita:
Luiz Fernando, Franklin, Luciano, Paulo Leandro, Alexandre e Alexandro

Aos nove dias do mês de julho de 2011, reuniram-se no pátio da Biblioteca Central do Estado da Bahia, situada no bairro dos Barris, em Salvador, para discutir a constituição de um grupo de estudos sobre o futebol baiano e tomar outras providências, os pesquisadores Alexandre Lima, Paulo Leandro, Alexandro Ribeiro, Luiz Fernando, Luciano Santos e Franklin Oliveira Jr., sendo o último indicado para a presidência da mesa dos trabalhos.
A pauta foi definida com dois pontos: apresentação dos membros e definição sobre os objetivos do grupo.
A mesa solicitou que os presentes, de forma rotativa, se apresentassem.
Alexandre Lima foi o primeiro a tomar a palavra, informando ter 34 anos, cursado História na Unijorge e ser estudante de Ciências Sociais da UFBA, cantor, compositor e pesquisador do futebol desde finais de 2008. Escreveu artigos nos sites História do Futebol e RSSSF Brasil. Trabalha atualmente com os resultados de jogos, artilheiros e certames baianos de 1905 até os dias atuais.
Pediu então a palavra Paulo Leandro para a sua apresentação. Afirmou ter 47 anos, ser jornalista de profissão desde 1984, em sua maioria dedicada ao jornalismo esportivo, onde fez reportagens, crônicas e edição, fundou o suplemento esportivo A Tarde Esporte Clube e é atualmente secretário de redação do jornal Correio da Bahia. Na área acadêmica, cursou o mestrado em comunicação e cultura contemporânea, onde defendeu dissertação sobre o perfil do jornalismo esportivo da Bahia, examinando inclusive a trajetória de Paulo Carneiro e Paulo Maracajá. Logo a seguir obteve doutorado no mesmo programa da UFBA sobre a história dos Ba-Vis.
Na ocasião, foi aparteado pelo integrante que dirigia a mesa, que observou se tratar da primeira tese de doutorado sobre futebol na Bahia e uma das primeiras do Brasil.
Retomando a palavra, Paulo Leandro informou seu currículo como professor universitário, onde lecionou matérias do curso de comunicação, como Redação e Jornalismo, Ética e Legislação, Metodologia da Pesquisa Científica, entre outras.
Usou a palavra, então, Alexandro Ribeiro, para informar que é engenheiro e tem 35 anos, que é torcedor de futebol desde os anos 80, sendo escritor do livro sobre o Barradão, em parceria com Luciano Santos, lançado em 2006, colunista do site Barradão on Line. É possuidor de um vasto acervo de informações sobre o futebol baiano, dedicando-se atualmente a atualizar estes dados.
Logo a seguir tomou a palavra Luciano Santos, que afirmou ter 44 anos, três filhos e ser economista, tendo sido antes gerente de banco e professor ginasial e universitário. Trabalha há dez anos na Essencial Tecnologia. É apreciador do futebol desde a mais tenra idade, se tornando fundador da Falange Rubronegra em 1999 e do Barradão on Line, momento em que foi aparteado por Luiz Fernando, que afirmou se tratar do primeiro site consistente sobre o futebol na Bahia. Retomou a palavra Luciano Santos para informar que fez curso de especialização em comunicação, com monografia sobre a participação do torcedor na internet intitulada “A importância dos sites na vida dos clubes”. Atualmente, cursa Arquivologia e escreve um livro infantil sobre a história do E. C. Vitória.
A palavra foi dada pela mesa então a Luiz Fernando, que informou ter 46 anos e ser torcedor de futebol desde os sete anos. Tornou-se pesquisador de futebol ao observar os constantes erros da imprensa passando a anotar as fichas de todos os jogos que assistia. Assim reuniu um acervo apreciável de informações de partidas realizadas na Bahia as quais juntou várias publicações esportivas que coleciona desde então. É ainda funcionário da Receita Federal e presidente do Sindicato dos Auditores Fiscais.
Por último, a palavra foi usada por Franklin Oliveira Jr., que informou ter sido fundador do PT e da CUT, presidente do Sindicato dos Músicos, músico, historiador e escritor, tendo no terreno esportivo uma trajetória identificada com a Fonte Nova, onde fez shows musicais no Ginásio Antônio Balbino, e compareceu para apreciar os momentos memoráveis dos 60 anos do estádio.
Atualmente dirige um blog de sua criação empenhado em resgatar a memória do estádio.
Logo a seguir foi introduzido o segundo ponto da pauta, referente aos objetivos do grupo.
Na ocasião, ocorreram várias falações propondo tarefas para o mesmo, entre as quais, a colaboração com o Museu do Futebol que será construído na nova arena da Fonte Nova, um banco de dados sobre o futebol baiano, um livro coletivo, convênios com a UFBA e o governo do Estado e a criação de um grupo de pesquisa sobre o futebol baiano que funcionasse como um órgão de atuação junto às iniciativas pública e privada e fosse registrado no diretório nacional do CNPQ.
Apesar de todas as propostas serem consideradas importantes e deverem ser estudadas, os presentes concentraram-se na criação do referido grupo, definindo por sua criação e discutindo aspectos de seu encaminhamento, a exemplo do recrutamento de novos membros.
Foram ainda definidas as seguintes tarefas para o grupo: a) a elaboração da ata e do documento constitutivo do grupo (Franklin), a pesquisa e encaminhamento das providências para o seu reconhecimento pelo CNPQ (Paulo Leandro), os convites a Ubiratan (Alexandre), Daisy (Luciano), Mário Gomes (Alexandro), alguns estudantes e outros aficcionados e a ampliação para os estudos de gênero.
A próxima reunião do grupo ficou definida para duas semanas depois, entre os dias 23 e 30 de julho.
Nada mais havendo a tratar, foram tiradas fotos da reunião de constituição do grupo e a mesa deu por encerrada a reunião.

Salvador, 9 de julho de 2011.

Fonte: Correio da Bahia, 22.07.2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário